O que está impedindo você de ser feliz?

De verdade, “o que nos impede de ser feliz?”  Em grande parte, a causadora de sofrimento é a programação negativa, construída há milênios, em nossa sociedade, e reforçada por pais, avós, tios, professores, chefes, etc. Desde o útero, recebemos a influência do padrão do amor negativo e este vai passando de geração a geração, de forma inconsciente. Os pais vieram com essa mesma programação do amor negativo e passam para seus filhos. Esse condicionamento, da programação do amor negativo, vai determinando um caminho distorcido em nossa vida, regido por registros negativos, que nos impacta em todas as áreas.

O que fazer para sair da programação?

A responsabilidade do nosso despertar é apenas nossa. A vida nos fornece infinitos sinais e possibilidades para que o despertamento da consciência ocorra. Não há como alguém despertar o outro. Cabe à você essa responsabilidade pelo despertamento, e isso é determinado pelo nível consciencial em que você se encontra.

E como saber em que nível de consciência você se encontra?

Basta refletir sobre sua vida. Você vive no automático, com reações automáticas? Faz coisas que não gostaria de fazer? Repete pensamentos, ações, hábitos e vícios que não gostaria de estar repetindo? Pois é, isso vem da inconsciência de seu estado natural, de seu estado presente. Quando não temos consciência de nossos pensamentos e comportamentos, ainda estamos no automático. Desse automatismo, surgem programas vindos do passado, que se reproduzem, a partir do nosso inconsciente.

Como a mente funciona?

Em média, a mente consciente tem um nível de consciência de no máximo cinco por cento e o restante dos noventa e cinco por cento, está em nível inconsciente. Portanto, na grande maioria de nosso tempo, estamos apenas reproduzindo, inconscientemente, os registros, as marcas do nosso passado. Um passado remoto ou não. Se não prestamos atenção em nós, pensamentos, desejos, programações habituais, reações automáticas, então, todo esse conteúdo vai se reproduzindo, automaticamente, e construindo nossa jornada.

E o que fazer para sair dessa inconsciência?

Perceba se você repete padrões de pensamentos, ações, hábitos ou vícios. Por exemplo, você repete sempre o mesmo tipo relacionamento negativo com as pessoas?  Vive repetindo um padrão de vitimização ou crítica, julgamento, autopunição, autocomiseração, reações automáticas de raiva, ansiedade, culpa ou tristeza? Em um primeiro momento, preste atenção em você. Pratique a autopercepção. Sem perceber o padrão, não se consegue mudar.

De nada adianta se culpar – é energia perdida por nada!

Não se puna, não se autoflagele por isso. Pratique a auto observação. Perceba você praticando o padrão negativo. É libertador.

Pratique a autoaceitação

Aceite o que está ocorrendo com você. Perdoe o modelo do qual surgiu o padrão e se autoperdoe. Após a aceitação, fica fácil mudar o padrão. O auto perdão é fundamental. Pratique o perdão e o auto perdão, que  te conduzirá à limpeza dessa energia disfuncional e à sua transmutação.

A mudança acontecerá

Se você praticou todos os passos, citados acima, você conseguirá efetuar a mudança. Fica muito fácil mudar porque você já tem consciência do que te leva a proceder dessa forma automática. Faça diferente. Pratique uma rotina diferente daquela que, inconscientemente, você vinha repetindo.

Mude a rotina

A mudança na rotina do padrão é fundamental para mudar o hábito repetitivo. Por exemplo, se você ficava com tédio e comia um doce para aliviá-lo, detecte o tédio, se autoperceba com tédio e mude a rotina. Ao invés de comer o doce, toda vez que sentir tédio, converse com colegas ou pessoas amigas, por exemplo. Você alivia o tédio e não come o doce.

Pratique o auto-amor. Mudanças incríveis começarão a acontecer. Mudando a base interna, com o auto-amor, tudo a sua volta mudará. Muita luz, paz e amor!

Anete L. Blefari
anete@sermelhorepleno.com.br
www.sermelhorepleno.com.br



WhatsApp chat