Do sofrimento à transformação interna

Todos sofrem, a dor é universal, mas sua intensidade varia de pessoa a pessoa, portanto, é subjetiva e individual. As causas podem ser variadas: morte, doença, pobreza, perda, falência, separação, catástrofes, etc.

Para compreender a mensagem que o sofrimento traz, é necessário aceitar o que é e enfrentar, corajosamente, a dor. Assumir uma atitude interna receptiva, com calma, e se colocar na posição de observador.

Na história, há inúmeros exemplos de pessoas que superaram dores pungentes e reagiram com coragem, aceitação serena e buscaram saída para suas dificuldades. E o que, exatamente, os diferenciou de outros, que não tiveram força para enfrentar as dificuldades? O nível de desenvolvimento de sua consciência.

A dor tem a função de despertar o ser humano de sua letargia e conduzi-lo à reflexão e à interiorização, para questionar a causa de sua ocorrência.

Há a necessidade de uma transformação interna, um processo de amadurecimento, para obter êxito em ter uma solução.

Quando sofremos, a sugestão é indagar: “Por que sofro?  Como estou sofrendo? O que esta provação quer me dizer? O que ela quer me ensinar?”

Quando respondemos estas questões, a dor se transforma em consciência e liberta sua força evolutiva.

Quando tomamos consciência do verdadeiro significado do sofrimento, sentimos sua utilidade e seu poder evolutivo. Assim, como inúmeras pessoas que vivenciaram essa experiência tão profunda puderam constatar o poder criativo e transformador da dor.

É possível se libertar do sofrimento? Encontrar a paz, a serenidade e a felicidade?

De acordo com Angela Maria La Sala Batà[i], a resposta é sim. Ela diz que o verdadeiro destino do homem é alcançar um estado de consciência pleno, de perfeita harmonia e bem-aventurança. Um longo caminho de buscas, orientações, atitudes e meios de evoluir deve ser percorrido para que se alcance essa meta. Aos poucos vamos compreendendo o verdadeiro sentido de nossas provações e dores. Com isso, criamos a possibilidade de superar os desafios da dor, do sofrimento e nos libertar.

A dor é consequência de nossas reações diante dos acontecimentos, que são estímulos externos. Ao analisar a situação, o foco deve ser colocado, em primeiro plano, na nossa maneira de reagir ao sofrimento, como o enfrentamos e como vivemos com ele. Tudo que nos acontece tem por objetivo despertar nossa consciência adormecida e nos trazer a compreensão do verdadeiro sentido da vida e de nossa natureza humana.

De acordo com estudos, nos campos filosóficos e psicológicos, o ser humano tem a possibilidade de se experimentar e se desenvolver para adquirir a capacidade de auto observação, auto análise e percepção consciente.

Os sofrimentos, que podem advir de causas internas ou externas, revelam nosso grau de maturidade e consciência. Eles podem ser considerados como sintomas e obstáculos a serem superados.

Cabe a cada um o cuidado de si mesmo, por onde se releva o grau de amadurecimento, na busca de caminhos para se autoconhecer, evoluir e realizar sua transformação interna.

Anete L. Blefari
anete@sermelhorepleno.com.br
www.sermelhorepleno.com.br


[i] BATÀ SALA LA, ANGELA MARIA – O CAMINHO PARA A LIBERTAÇÃO DO SOFRIMENTO – 1998 – Editora Pensamento.



WhatsApp chat