Como curar as feridas emocionais

Generalizando, todos têm dificuldade de se relacionar e no desespero não sabe o que fazer para que o relacionamento dê certo. Quando há brigas, principalmente entre o casal, há muita dor mútua e decepção. Mas, o que está por detrás do mau relacionamento, das cobranças, mágoas, ressentimentos, raiva e desentendimentos em geral, que causam dor e frustração? Há duas opções: buscar outro companheiro ou companheira, carregando as mágoas e a convicção de que está certo, ou trazer à consciência tudo o que machuca e aprender a se relacionar de uma forma saudável.

A grande maioria costuma culpar os pais, mas eles também não aprenderam a se relacionar e, consequentemente, os pais deles também não, e assim sucessivamente. Na verdade, não conhecemos e nem sabemos como funciona um relacionamento saudável. Encontramo-nos muito machucados, emocionalmente, e, portanto, necessitamos nos cuidar, assumir a responsabilidade e não projetar nos outros nossas expectativas, sonhos e desejos. O que nos falta é amadurecer para deixar a vida fluir com seus desafios e extrair o aprendizado de cada experiência. Os relacionamentos nunca corresponderão aos nossos sonhos e expectativas.

O que nos impede de curar nossas feridas e aprender a amar e ser feliz? Uma dificuldade muito grande é a de abandonar os velhos hábitos, que se tornaram vícios químicos emocionais. Sempre, quando há um estímulo, interno ou externo, os vícios químicos são ativados e repetimos as mesmas experiências, reagindo e sentindo da mesma forma. Isso acontece para relacionamentos, criatividade, sexualidade, comida, etc.

Como você se vê a si mesmo? Com medos, uma pessoa mal amada e incapaz de amar? Ou, um ser com dons e talentos, amável e capaz?

Como despertar o amor por nós mesmos e pelos outros?

O caminho é olhar para as feridas da criança interior. Quando as feridas emocionais não são curadas, elas nos sabotam de todas as formas. Estamos identificados com a “criança emocional” ferida, carregamos uma autoimagem negativa e acreditamos que é assim. Ficamos aprisionados em nossos vícios emocionais, perdemos o controle e nos deixamos ser levados pela vida, como se não tivéssemos o comando em nossas mãos.

Quais os passos para curar as feridas emocionais?

– Olhar para as feridas emocionais de forma profunda: medos, vergonha, e desconfiança.

– Compreender que a criança emocional não é você. Reconheça que ela é o resultado de condicionamentos poderosos. Quando ela está no comando, você repete padrões dolorosos em todos os relacionamentos e não consegue entender o porquê. Fica aprisionado em compulsões, comportamentos viciosos, pode sofrer acidentes ou doenças em consequência das autossabotagens; sente-se resignado, desencorajado e desanimado.

– Colocar o foco no momento presente, deixando o passado para trás. Observar como essa criança emocional afeta seu dia a dia.

– Entender como a criança ferida comanda e controla sua vida. Só assim poderá transcender a sua influência e fazer escolhas.

Retome o controle de sua vida e vença o medo. Explore a si mesmo e desperte o amor em sua vida – amor por si mesmo e pelos outros. A fonte verdadeira está dentro de você. Volte-se para dentro e olhe, com destemor. Naturalmente, você começa a mudar e se transformar em quem realmente você é: o Cisne e não mais o patinho feio.

Referência: O Amor não é um jogo de criança – Khrishnananda

 

Anete L. Blefari
anete@sermelhorepleno.com.br
www.sermelhorepleno.com.br



WhatsApp chat