Codependência

Codependência: transtorno emocional (agravante da dependência química)

Codependência é uma síndrome emocional descoberta nas décadas de 70 e 80 que se apresenta, principalmente, em familiares de dependentes químicos (de álcool e outras drogas), jogadores patológicos, compulsivos sexuais e outros problemas sérios da personalidade.

É uma reação doentia ao comportamento problemático de uma pessoa. Com isso, acaba-se agravando a situação da pessoa problemática, através da facilitação. Os codependentes não conseguem perceber esse processo (negação) porque acreditam que estão ajudando e justificam seus comportamentos.

Os codependentes vivem em função da pessoa problemática, com necessidade obsessiva em controlá-la e ajudá-la. Eles acreditam que podem mudar a pessoa que apresenta o problema autodestrutivo e não percebem seus próprios problemas emocionais de baixa autoestima, culpa, raiva, ansiedade, frustrações, etc…

A pessoa codependente fica encarcerada na pessoa problemática, não conseguindo se desligar emocionalmente do outro. Ela vive a vida do outro, incluindo cuidados com alimentação, banho, assumindo responsabilidades da outra pessoa, o que, na realidade, proporciona mais irresponsabilidade por parte da pessoa problemática. Esses pensamentos e comportamentos são patológicos e comprometem o relacionamento com outras pessoas. O codependente quer ser, realmente, o salvador, protetor ou consertador da outra pessoa, mesmo que para isso ele esteja comprovadamente prejudicando e agravando o problema do outro.

A Codependência também pode ser agravante e desencadeante de depressão, suicídio, doenças psicossomáticas, e outros transtornos.

Sintomas e características da Codependência

1.       preocupação e dependência excessivas (emocional, social e às vezes física)

2.       baixa autoestima; não sabe se divertir normalmente;

3.       dificuldades para estabelecer e manter relações íntimas sadias e normais;

4.       congelamento emocional ( aparentemente com serenidade – como os mártires); perfeccionismo;

5.       necessidade obsessiva de controlar a conduta de outro: palpites, recomendações,

6.       preocupações, gentilezas quase exageradas; solicitude;

7.       condutas pseudo-compulsivas (paga as dívidas da pessoa problemática, mas “nunca sabe bem porque fez isso”); sente-se responsável pelas condutas de outros;

8.       profundos sentimentos de incapacidade; vergonha; procura a aprovação externa;

9.       dores de cabeça e das costas crônicas que aparecem como somatização da ansiedade;

10.   gastrite e diarreia crônicas, como envolvimento psicossomático da angústia e conflito;

11.   Depressão: fase final.

Recuperação da Codependência

O primeiro passo é se conscientizar e aceitar o problema.

Frequentar grupos de autoajuda; fazer psicoterapia, terapia familiar e, se necessário, tratamento médico para a depressão e ansiedade.

Ler livros sobre codependência: Codependência Nunca Mais; Além da Codependência, de Melody Beattie, são ótimos exemplos.

Grupos de autoajuda: Alanon , Naranon, Amor Exigente, Codependentes Anônimos.

Anete L. Blefari
anete@sermelhorepleno.com.br
www.sermelhorepleno.com.br