A cura para o desamor a si mesmo

Reconhecer nosso estado atual é muito importante, porque nos mostra como estamos e, assim, podemos fazer escolhas mais inteligentes para nossa vida.

Quando não temos essa consciência, continuamos vivendo no automático, sem noção de como está nossa vida, e sem a percepção de nosso poder interior para empreender mudanças significativas. A forma como estamos vivendo, atualmente, é o resultado de muitas escolhas, conscientes e inconscientes, em nosso passado recente e mais remoto. Quando não fazemos escolhas conscientes, nosso inconsciente comanda nosso destino com seu conteúdo interno, de forma automática. Muitas vezes, passamos uma vida inteira sem ter a mínima noção que nos falta auto amor. A vida segue de forma automática, temos reações automáticas e os resultados vão surgindo e formando padrões de comportamentos e de pensamentos, também automáticos.

Na maioria de nossas interações sociais, reagimos, automaticamente, sem ter a percepção desse automatismo, obedecendo aos impulsos e comandos, muitas vezes, incontroláveis. E o que nos falta?  Autoconhecimento, para podermos aceitar quem somos e nos amar. Para tanto, é necessário analisar os resultados que estamos obtendo em nossa vida, com a comunicação e a interação social.

Quando estamos despertando, podemos considerar como sorte ter pessoas difíceis, que nos ajudam a tomar ciência de padrões automáticos, sejam quais forem. Só assim, poderemos lidar com a questão e buscar conhecimentos, técnicas, ajuda terapêutica e práticas espirituais para nossa libertação.

Pessoas de nosso convívio, que não oferecem opinião, por medo, ou para evitar conflitos,  não dizendo o que sentem com relação a nós, não nos ajudam a crescer e processar nosso desenvolvimento pessoal. Por isso, é de vital importância os relacionamentos com pessoas que, muitas vezes, as consideramos rudes, mas que nos apontam e nos mostram como estamos atuando e reagindo em nossas experiências. Essas, embora podemos não gostar do que falam a nosso respeito, verdadeiramente nos ajudam com suas opiniões e, só assim, podemos nos auto perceber e mudar.

Todas as pessoas, eventos e experiências são nossos espelhos. Podemos aprender muito com elas, principalmente nos relacionamentos difíceis e conflituosos. Quando interagimos com as pessoas, podemos nos auto perceber, conforme suas reações e, também, através de nossas reações. Podemos ficar cientes de  nossa sombra e de nossas qualidades.

Por isso, considero, pessoalmente, a vida maravilhosa e mágica. Os relacionamentos são mágicos, pois nos proporcionam o autodesenvolvimento e, assim, evoluímos.

Quando nutrimos desamor por nós mesmos, vamos, fatalmente, atrair experiências  e pessoas,  que nos revelam essa falta de  auto amor.  Se seguimos a vida no automático, as dificuldades começam a nos alertar de que nosso caminho está equivocado. Nossa reação é achar sempre o outro o culpado, mas sabemos, mesmo de forma inconsciente, que são apenas os resultados, que estamos obtendo a partir de nossos padrões automáticos, crenças limitantes, julgamentos, sentimentos de superioridade, e muito mais.

Sugestões para se auto amar:

a) Saiba que, em uma interação, obtemos o resultado de nossa comunicação, verbal ou não verbal.

b) Pare de condenar e julgar o outro. Volte o foco para si mesmo.

c) Analise o resultado obtido em sua interação e comece a se auto observar e perceba se realmente você faz o que foi apontado pelo outro.

d) Ao constatar a realidade, perdoe e se auto perdoe, para que possa trabalhar na mudança daquele padrão.

e) Tenha gratidão à vida, sempre!

A vida nos aponta todos os caminhos, que podem nos libertar de nós mesmos, de nossos erros e equívocos. Estamos aqui para evoluir e tudo é apenas uma experiência, que escolhemos experimentar. Aproveitemos a jornada e  escolhemos o fluxo do bem-estar.

Anete L. Blefari
anete@sermelhorepleno.com.br
www.sermelhorepleno.com.br



WhatsApp chat